O vício em video game

O vício é um problema na vida de muitas pessoas. Ele pode prejudicar a saúde física e mental, além de atrapalhar (ou destruir) o convívio social com amigos e familiares. Você imaginava que há pessoas que lutam contra o vício em video game? Entenda melhor.




O vício


Segundo o dicionário, “vício” é uma palavra que deriva do latim e significa “falha ou defeito”. Entretanto, acreditamos que vício seja uma hipercompensação por algo. O viciado encontra na substância que consome (ou nos atos que pratica) um prazer que o tira de um mundo de frustrações.


O vício pode ter causas emocionais, traumáticas ou hereditárias. Ele precisa ser tratado de forma multidisciplinar, com medicações e psicoterapia. Mas, antes de qualquer coisa, cabe ao paciente entender sua debilidade diante daquilo que o viciou. Reconhecer que precisa de ajuda é o primeiro passo.



Video game


É fato que a pandemia contribuiu para que as pessoas adquirissem novos hábitos, positivos ou negativos. Estar isolado em casa, sem atividades para fazer, levou muitas pessoas a passarem o tempo em frente à TV. Portanto, aqueles que já tinham uma tendência ao vício do jogo eletrônico, se viram diante de uma situação que o impulsionava à prática.


É preciso ficar atento e, geralmente, quem percebe esse tipo de vício são as pessoas ao redor, pois o viciado começa a perder o interesse nas atividades cotidianas e sociais. Não come direito, não toma banho, dorme poucas horas e não faz nada além de jogar. Quando questionado por amigos e familiares, ele sempre irá negar o problema ou duvidar da situação. Tudo isso é sintoma do vício em games, que pode acometer adultos, crianças e adolescentes.


Quando o paciente se vir debilitado pela prática excessiva dos jogos eletrônicos, estará isolado, fragilizado física e emocionalmente. É possível que desenvolva transtornos psiquiátricos, como ansiedade e depressão e cogite o suicídio.


O melhor a ser feito é manter o diálogo e tentar mostrar à pessoa que é necessário dosar o tempo em frente às telas. E, se não funcionar, tentar buscar orientações de profissionais.