Por que Pfizer no lugar da AstraZeneca?

Em alguns lugares do país foi autorizado ministrar a vacina da Pfizer no lugar da segunda dose da AstraZeneca. Mas, o que está por trás dessa permissão? Leia e entenda.




Falta de vacina


A grande maioria das vacinas de combate à covid disponível para os brasileiros deve ser aplicada em duas etapas. A única exceção foi a Jansen, da Johnson&Johnson.


O problema começou quando o estoque de vacinas (AstraZeneca) passou a ser insuficiente para garantir a segunda dose (e até terceira, em alguns casos específicos). O que fazer?


Alguns estados, seguindo o próprio planejamento de vacinação, baseando-se em estudos realizados no meio do ano, passaram a indicar a vacina da Pfizer em substituição à da AstraZeneca, até que os estoques fossem normalizados.


Essa não foi uma atitude irresponsável de simplesmente substituir vacinas de uma marca por outra. A própria OMS (Organização Mundial da Saúde) se pronunciou a respeito, dizendo que esse sistema heterólogo (uso de vacinas diferentes) é perfeitamente admissível, em casos específicos como o que aconteceu no Brasil.



Imunização segura


A substituição das vacinas é temporária. E segura. O que não é seguro é deixar de tomar a vacina e assim interromper o ciclo da imunização, invalidando até a proteção dada pela primeira dose.


Se chegar a sua vez e a vacina for substitutiva, fique tranquilo. Ela tem os anticorpos necessários para fortalecer o sistema imunológico e, junto à primeira dose, proteger contra covid.


Alguns estados já iniciaram a aplicação da terceira dose em grupos de maior risco. O raciocínio é o mesmo. Esse imunizante de reforço, ainda que de outra marca, é extremamente necessário e produz os efeitos desejados, diminuindo consideravelmente as chances de se desenvolver a forma grave da doença.