A depressão pós-parto pode durar anos?

Neste artigo você encontrará informações sobre a depressão pós-parto e como ela pode ser descoberta tardiamente, anos após o nascimento do filho.




Depressão pós-parto


Já falamos do assunto em outra matéria, mas achamos importante trazer o assunto à tona, com uma nova abordagem. É um tema recorrente e que atinge os lares de muita gente.


Tristeza que surge, em média, 2 semanas após dar à luz, que incapacita a mulher de seguir sua rotina normal, tornando-a procrastinada e impaciente, pode ser depressão pós-parto.


Somente um profissional para dar o diagnóstico correto, portanto, não deixe de buscar ajuda ao perceber algo diferente em você. A maternidade mexe muito com o organismo, tanto do ponto de vista psicológico, quanto físico. É um turbilhão de emoções e hormônios que se misturam e que podem levar a um quadro depressivo.



Depressão pós-parto tardia


Por não procurarem ajuda em tempo hábil, não conversar sobre ou achar que tudo é normal, a mulher pode conviver com a depressão por um bom tempo, sem se dar conta que está doente. E, naturalmente, o problema vai se agravando.


É muito comum e compreensivo que algumas mães sintam dificuldade de aceitar a nova realidade. E, por medo de serem julgadas por seus familiares ou pela sociedade, se calam e tentam viver com aquele incômodo que vai ficando cada vez mais doentio.


Essa cobrança natural da sociedade com a mulher para que ela seja perfeita, tentando dar conta de tudo, não é saudável. É preciso ser uma boa filha, boa mulher, boa mãe, boa profissional, boa dona de casa, ter boa reputação, ser boa amiga... Por que? Ninguém consegue ser tão boa assim o tempo todo.


Situações desse tipo, sem a busca por ajuda, prolonga a depressão e faz com que a mulher se torne uma paciente com sensação de estar aprisionada em sua própria vida. Ela começa a ver a realidade de maneira distorcida e sofre em silêncio.


Se você passa por isso, busque ajuda. Converse com profissionais, não tenha receio de ser julgada. O sentimento é conflitante, mas é comum e encará-lo de frente é o primeiro passo para vencê-lo.