Leite humano em pó

Pesquisas recentes realizadas na Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais, abrem caminhos para a produção do leite humano em pó, com o objetivo de não deixar bebês sem o alimento, já que é o mais completo e mais indicado nos primeiros meses de vida.




Bancos de leite


O Brasil tem o maior sistema de bancos de leite do mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. São cerca de 225 unidades espalhadas em todos os estados nacionais – alguns realizam até coleta domiciliar.


Essas instalações são responsáveis por coletar, processar e distribuir o leite humano a bebês prematuros e de baixo peso. Os bancos de leite também realizam atendimento de orientação, promoção e apoio à amamentação.



Leite humano em pó


Parte do leite que é doado contém “sujidades” naturais da mãe, ou seja, pelos ou descamações da pele. Naturalmente, ele é descartado. O objetivo do estudo é, justamente, aproveitar esse leite que é descartado, através de um processo seguro de filtragem e pasteurização.


As pesquisas também já avaliaram o aspecto nutricional desse leite, sobretudo no que diz respeito à segurança e ausência de microrganismos contaminantes após pasteurização. E os resultados foram bem promissores.


A técnica desenvolvida resultou em um leite humano homogeneizado em pó que manteve, praticamente, todas as características nutricionais, havendo apenas uma redução da concentração de imunoglobulinas (proteínas de defesa), apesar de elas continuaram presentes. E isso mostrou que o produto é bem superior às fórmulas comerciais que estão no mercado.