A relação do calor com a saúde do coração

Está bem quente, não é? Alguns amam, outros odeiam. O fato é que o verão é inevitável. Para quem gosta de aproveitar o calor, é preciso tomar alguns cuidados e se proteger do sol. Mas você sabia que as temperaturas mais altas têm relação com a saúde do nosso coração? Leia e entenda.




Alterações no sistema cardiovascular


O calor intenso, sobretudo acima dos 30°, faz com que nosso organismo precise trabalhar mais para continuar funcionando e manter a temperatura corporal em níveis normais.


Esse esforço natural acaba gerando uma tensão extra ao coração, pois o sistema cardiovascular precisa aumentar a intensidade do funcionamento para compensar a maior necessidade de energia.


Há uma dilatação dos vasos sanguíneos na cabeça, mãos, braços, pés e pernas. Inclusive, os membros podem inchar e dificultar a circulação, levando a um quadro de queda de pressão – muito comum em dias quentes.


A alteração na pressão arterial faz com que o sangue fique mais viscoso e as artérias contraídas. Assim, o coração passa a bater mais forte e bombear mais sangue, com o intuito também de nos refrescar. Pode acontecer de circular até 4x mais sangue por minuto pelo corpo, se compararmos com um dia frio. Todo esse estresse ao coração pode desencadear complicações, inclusive um infarto.


Um outro ponto importantíssimo é a desidratação. Como transpiramos mais, nosso corpo perde mais líquido e nem sempre repomos isso, porque não bebemos a quantidade de água necessária. O resultado pode ser tonturas, vertigens, desmaio e arritmia cardíaca.



Medidas de prevenção


Os riscos de um problema mais sério no coração em dias mais quentes existem, mas o nosso corpo é preparado para lidar com todas essas mudanças.


O importante é manter as medidas protetivas. Beber bastante água, evitar alimentos gordurosos, evitar ficar muito tempo exposto ao sol, sobretudo fazendo atividades com as quais não se está acostumado.


Fazer consultas e exames de rotina também são atitudes bem inteligentes. Cuide-se!