Infarto

Quando falamos em sintomas de infarto, o que vem à mente são as dores no peito. Mas, é muito importante ter conhecimento sobre os outros sintomas, já que as dores no peito não são os únicos sinais de que uma pessoa está infartando.




Mortes por infarto no Brasil


Todos os anos, cerca de 50 mil pessoas morrem por ano no Brasil, vítimas de infarto. E o que mais incomoda é pensar que quase todos esses óbitos poderiam ser evitados com mudanças no estilo de vida, perda de peso e exercício físico.


Se abrirmos o leque para as mortes por doenças cardiovasculares, os números ultrapassam os 400 mil óbitos anuais. São mais de mil por dia, dados que representam o dobro de mortes por câncer.



Fatores de risco


Alguns fatores aumentam o risco de desenvolver o infarto. Entre eles a obesidade, o colesterol desregulado, sedentarismo, hipertensão, diabetes, estresse, abuso de álcool e tabagismos são os principais elementos que contribuem para isso acontecer.


Na contramão, pacientes que conseguem reeducar a rotina, através de prática regular de atividade física, abandono de vícios e dieta equilibrada, diminuem consideravelmente as chances de passar pelo episódio de um infarto. Vivem mais e melhor.



Sintomas além das dores no peito


Como dito, os sintomas mais comuns são as dores no peito, mas não são as únicas manifestações de um infarto. É muito importante estar atento a todos os sinais.


A dor aguda no peito, perdura por mais de 20 minutos e pode se irradiar para pescoço, mandíbula, costas, braço ou ombro esquerdo (também pode se manifestar como queimação, sensação de peso ou aperto no peito e formigamento no braço).


Além disso, é comum sentir náuseas e/ou vômito, sudorese, suor frio, falta de ar (que é mais frequente em idosos), cansaço extremo ou fraqueza, tontura, desmaio e ansiedade.


O recomendado é que o paciente, ao sentir esses desconfortos, busque ajuda médica imediata. O socorro rápido é a maneira mais eficaz de preservar a vida nesses casos.