Com glicose, não se brinca

Que a glicose alta não é saudável, você já sabe. Mas sabia também que ela pode interferir em diversos pontos do seu organismo, incluindo sua saúde mental, e o funcionamento de órgãos vitais? Nesta matéria você entenderá mais sobre o índice de açúcar no sangue e como isso pode ser perigoso.




Diabetes


Uma doença silenciosa, surgida pela incapacidade de produção de insulina de forma adequada pelo corpo, que pode se manifestar de 3 formas principais: hereditariedade (quando a pessoa nasce com a doença, chamada de tipo 1); A mellitus (tipo 2), que surge ao longo da vida por maus hábitos alimentares e sedentarismo. E a diabetes gestacional, que surge no período da gravidez.


A taxa aconselhável de glicose no organismo deve ser de, no máximo, 100mg para cada 100ml de sangue. Acima disso, até 130mg/ml, o paciente é considerado pré-diabético. E superior a isso, naturalmente, o diagnóstico será de diabetes, desde que haja uma constância nos índices e que o laudo conclusivo seja emitido por um médico.


Quase metade dos brasileiros que tem a doença não sabe. Um fato muito preocupante, pois doença escondida significa doença não tratada, limitando a qualidade de vida e submetendo a saúde dessa parcela da população aos perigos causados pela condição.



Riscos à saúde


Se não tratada, a hiperglicemia se torna tóxica para os órgãos, vasos sanguíneos e nervos, o que causa doenças como neuropatia (nervos), nefropatia (rins) e a retinopatia (olhos).


Essas são só algumas complicações, que ainda podem evoluir para a amputação dos membros inferiores, cegueira e insuficiência renal. Além disso, quem tem diabetes está mais propenso a desenvolver problemas cardiovasculares, como infarto e AVC; além de depressão.


No Brasil, os números assustam. São cerca de 8 milhões de pessoas que não sabem que têm a doença. Em 2019, foram mais de 135 mil óbitos ocorridos em nosso país por consequências de diabetes.


Na diabetes tipo 1, a insuficiência renal ocorre na metade dos casos. Na diabetes tipo 2, um número alarmante de 8 em cada 10 diabéticos irão morrer por complicações cardíacas.


Nos oito primeiros meses do ano passado, o SUS realizou mais de 10 mil amputações por complicações de diabetes e, além disso, portadores da doença tem 40% a mais de chances de desenvolverem glaucoma; e 60% a mais de desenvolver catarata.


Para prevenir a doença, é preciso manter um ritmo de vida saudável e não sedentário. Consultar-se regularmente com um médico e fazer exames também é necessário. E, se você já é diabético, deve aumentar os cuidados e seguir à risca os cuidados com alimentação, medicação e atividade física.