Cuidado com ervas e chás naturais

A automedicação é um grave problema no Brasil. Além dela, o consumo irrestrito de vitaminas, suplementos, chás emagrecedores e ervas que prometem tratamentos medicinais pode ser bem prejudicial à saúde. Entenda melhor.




Substância de eficácia duvidosa


É muito comum vermos os anúncios de polivitamínicos, suplementos alimentares, chás e ervas na internet, TV e outros meios de comunicação. Eles são vendidos livremente em lojas de produtos naturais, farmácias, academias, no comércio de rua e outros locais.


E, além de terem uma eficácia duvidosa, ainda podem fazer mal à saúde – e isso, realmente, preocupa bastante!


Não é raro vermos complicações surgidas pelo consumo indiscriminado dessas “substâncias naturais”. Basta pesquisar na internet e você encontrará casos de pessoas que precisaram até de transplante de fígado por consequência do uso.



Como saber o que realmente funciona


O perfil do consumidor desses suplementos é de pessoas que buscam, em pouco tempo e de maneira fácil, emagrecer, prevenir doenças, frear o processo de envelhecimento, fazer um "detox" ou aumentar a imunidade ou a musculatura.


O melhor a se fazer é conversar com um médico antes de começar a usar qualquer uma dessas substâncias, ainda que seja apenas um reforço de vitaminas para aumentar a imunidade (como no caso da vitamina C). Evite consumir produtos indicados por amigos. Leia o rótulo, informe-se sobre a composição deles e o que podem causar no seu corpo. Uma promessa de resultado fácil e rápido não pode ser mais importante que a sua saúde.