Julho Amarelo

O mês de julho também é marcado pela cor amarela, símbolo do combate e conscientização sobre as hepatites virais. Nesta matéria falaremos um pouco sobre cada uma delas e o que elas podem causar no organismo.




O que são hepatites


Hepatite é uma infecção que atinge diretamente o fígado. Manifesta-se silenciosamente e quando os sintomas são notados, o estágio da doença pode estar avançado, podendo levar a quadros de comorbidades leves, moderadas ou graves.


Por isso é importante evitar automedicação e procurar atendimento médico quando surgirem alterações no comportamento de nosso organismo. Sintomas como cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras são típicos de quadros de hepatite. Ao serem notados, busque auxílio.



As hepatites virais no Brasil


As hepatites virais se dividem em A, B, C, D e E. No Brasil, as mais comuns são as A, B e C. Entretanto, a D pode ser encontrada com mais frequência no Norte e a do tipo E, comum na Ásia e África, também já deu as caras por aqui.


Nos casos das hepatites B e C, por não apresentarem sintomas imediatos, podem atingir níveis mais críticos quando descobertas, causando fibrose ou cirrose no fígado. Para se ter ideia da dimensão do problema, mais de 1,4 milhão de pessoas no mundo morrem, anualmente, por esses tipos da doença. É uma taxa comparada à do HIV, por exemplo.


O SUS faz o teste rápido, gratuitamente, para detectar esses dois tipos da doença (B e C). E a vacina contra a hepatite B é disponibilizada nos postos de saúde do país, também de forma gratuita.



Mais informações sobre as hepatites virais


Hepatite A é típica em regiões sem saneamento básico, porque seu contágio se dá através do contato com fezes contaminadas ou com a ingestão de alimentos não higienizados corretamente. Relações sexuais também podem ser um meio de transmissão.


Quanto a hepatite B, suas principais formas de transmissão são por relações sexuais, da mãe para o filho durante a gestação ou parto, compartilhamento de lâminas, alicates de unha, de agulhas e cachimbos e na colocação de piercings ou tatuagens (sem devida higiene).


A hepatite C é transmitida por contato com sangue contaminado em objetos compartilhados (agulhas e alicates, por exemplo), além do contato com objetos sem devida esterilização de dentistas, médicos e tatuadores.


A hepatite D tem a transmissão muito semelhante à hepatite B, assim como o tratamento, que é à base de medicamentos próprios indicados por um médico, que servem para controlar (e não curar) a doença.


Por fim, a hepatite E, que tem as mesmas formas de transmissão da hepatite A e, como já dito, é mais comum nos continentes africano e asiático.