A relação da psoríase com a poluição do ar

Um estudo recente sugere que a psoríase pode ser desencadeada pela poluição atmosférica. Entenda mais sobre o assunto nesta matéria.



A psoríase


Uma doença autoimune inflamatória e crônica: assim pode ser definida a psoríase. Ela causa lesões avermelhadas na pele que descamam.


Suas causas são multifatoriais, ligadas também ao estresse do paciente. Durante as crises, o sistema imunológico dispara reações que atacam a pele e formam as placas ásperas. As lesões podem surgir em várias regiões do corpo e também pode haver comprometimento das articulações.


Recentemente, descobriu-se que a poluição do ar também pode desencadear quadros de psoríase.


A relação da poluição


Um estudo publicado no periódico Jama Dermatology, que avaliou dados de mais de mil pacientes durante cerca de 3 anos, comparando-os a marcadores de poluição no mesmo período dos atendimentos hospitalares, concluiu que há interferência atmosférica no aparecimento da psoríase.


Os poluentes considerados foram aqueles associados à queima de combustíveis fósseis por veículos e emissões industriais, como monóxido de carbono, dióxido de nitrogênio, benzeno, partículas grossas e partículas finas.


A descoberta serve para que os pacientes possam se antecipar ao problema, desde que consigam evitar a exposição à poluição.


O diagnóstico da psoríase deve ser feito por um médico dermatologista, que irá indicar o melhor tratamento para os casos específicos.


Fonte: https://jamanetwork.com/journals/jamadermatology/article-abstract/2788833