Fome ou vontade de comer? Entenda a diferença


Comer faz parte de nossa rotina e é essencial à sobrevivência. Entretanto, o ato de nos alimentar pode se tornar um problema para a saúde quando é feito de maneira errada. Entenda melhor nesta matéria.



Fome ou vontade de comer?


Sentir fome é comum. O problema começa quando confundimos a fome com a vontade de comer que, sem dúvida, são coisas bem diferentes.


A vontade vem não só para suprir a necessidade do alimento, mas para compensar questões emocionais: angústia, ansiedade e tristeza são exemplos de sentimentos que podem desencadear o ato de comer. É uma forma de compensar algo. E isso, naturalmente, pode afetar a saúde de diversas formas.


É fundamental conhecer a própria fome e entender quando ela é física ou emocional, pois “comer as emoções” não faz bem, apenas gera um alívio imediato que, a longo prazo, pode se tornar um problema de excesso de peso, diabetes, hipertensão... além de não resolver as questões que desencadearam a compulsão alimentar.


Autoaceitação


Profissionais ligados à nutrição, psicologia e psiquiatria podem ajudar a identificar esse problema e a devolver o autocontrole ao paciente, substituindo alimentos que fazem mal por opções mais saudáveis.


Controlar a compulsão também é possível. Uma alternativa trocá-la por outras práticas compensatórias, como atividades físicas ou um hobbie, por exemplo.


O importante nesse processo todo é o paciente conseguir identificar que precisa de auxílio e que está tentando substituir frustrações por comida. Após essa percepção e aceitação, a busca por ajuda pode ser uma consequência natural.